O vírus derrotou o rock?

Pete Townshend (esq.) e Roger Daltrey formam o Who: banda cancelou a turnê britânica (FOTO: DIVULGAÇÃO/THE WHO FACEBOOK)

O vírus venceu o rock. Por mais que as autoridades seja dúbias – ora alertando para a gravidade, ora pedindo para evitar o pânico – o Covid 19/coronavírus é uma ameaça real e derrotou a economia e o mundo do entretenimento.

Um país inteiro em regime de emergência, no caso da Itália, mostrou ao mundo o futuro imediado: pandemia decretada pela OMS (Organização Mundial da Saúde), cancelamento de todo tipo de evento e pessoas confinadas em casa em toda a península italiana e prejuízos gigantescos.

Não tinha como ser diferente? Não. É um caso gravíssimo de saúde pública mesmo que algumas autoridades insistam que a taxa de mortalidade é muito baixa e que outros tipos de vírus já foram mais letais – e justamente por isso é que o Covid 19 está com baixa letalidade, pois aprendemos bastante com as mortandades do passado.

E assim tivemos a primeira má notícia com o cancelamento da turnê sul-americana de Sammy Hagar, um dos poucos artistas importantes a nunca terem pisado no Brasil. Em seguida, o Lollapalooza adiou a edição da Argentina e deve fazer o mesmo com a do Brasil, programada para abril.

Na Europa e Estados Unidos, Pearl Jam e The Who adiaram as turnês programadas para o meio do ano, enquanto que os brasileiros do Noturnall cancelaram o giro europeu deste semestre. “A notícia é ruim, mas a saúde pública é prioridade”, declarou o vocalista Thiago Bianchi à coluna da Adriana de Barros, no UOL.

E a sequência de cancelamentos não para no mundo tudo. Jogos de futebol sofrem adiamentos por toda a Europa, assim como os jogos entre seleções pelas eliminatórias da Copa do Mundo de 2022 – e também os jogos das Libertadores, na América do Sul. Nos Estados Unidos, partidas de basquete da NBA estão suspensas por tempo indeterminado.

No Brasil a ficha parece não ter caído. Os casos de contaminação estão explodindo, mas os imbecis irresponsáveis que convocaram manifestações fascistas de 15 de março contra o Congresso e o STF (Supremo Tribunal Federal) mantiveram os eventos.

Jogos de futebol e de outros esportes estão programados para ocorrer normalmente neste final de semana, assim como shows de vários gêneros musicais.

Imprudência e irresponsabilidade? Entendo que sim. Possivelmente é o pior caso de saúde pública enfrentado pelo Brasil nos últimos 50 ou 60 anos.

É hora de limpar a poeira dos LPs, DVDs e CDs curtir uma boa cerveja/vinho e comida caseira enquanto a epidemia é controlada. Tem bastante coisa boa sendo lançada neste início de 2020, um grande alívio para dar estofo a uma luta que é de toda a população. Que possamos curtir com mais segurança e saúde todos aqueles shows que serão transferidos para o segundo semestre.

Deixe uma resposta